Diabetes mellitus é  uma condição clínica relacionada a absorção e utilização da glicose pelo metabolismo, causada pela falta ou má absorção da insulina, hormônio produzido pelo pâncreas .

Nos últimos tempos, tem assumido uma proporção epidêmica. Estima-se que 5,1% da população mundial  entre 20 a 79 anos são afetados pela doença e a previsão é que este número se duplique até 2025 (Dados da Organização Mundial de Saúde).

O diabetes tipo 1 constitui-se em 10 % dos casos, o pâncreas se torna incapaz de produzir a insulina ( Insulino -dependente)

                O diabetes mellitus tipo 2 (aumento da resistência a ação da insulina ou diminuição da secreção de insulina), constitui 90 % dos casos.

 Pode ser  gestacional  que parece estar relacionada ao alto ganho de peso na gestação, permanecendo ou não após o parto;  ou em condições secundárias  a defeitos genéticos , a uso de drogas , neoplasia, pancreatite, hemocromatose, fibrose  cística.

Os sintomas  constituem-se  na  vontade de urinar várias vezes, fome frequente, sede constante, perda de peso, fraqueza, fadiga, nervosismo, infecções frequentes, visão turva, dificuldade de cicatrização de feridas, formigamentos, diminuição da sensibilidade periférica, impotência sexual, fraqueza, fadiga, alterações cardíacas e renais.

São fatores de risco para diabetes mellitus: obesidade, níveis elevados de colesterol e triglicérides, sedentarismo, hereditariedade, hipertensão, idade acima de 40  anos, stress emocional, uso de corticosteroides.

O diagnóstico pode ser feito através mensuração de glicemia, hemoglobina glicosilada, curva glicêmica.

Deve-se fazer o  controle dos níveis  glicêmicos através de  um acompanhamento médico e multidisciplinar, evitando  complicações como retinopatias, neuropatias, insuficiência vascular periférica, insuficiência renal, entre outras.

 

Se você já teve o diagnóstico de pré-diabetes ou diabetes fique atento as dicas abaixo:

 

·         Cuide da sua alimentação , procure ajuda especializada (nutricionista)

 

 

·         Tenha bons  hábitos de vida, abandone o tabagismo (se presente), pratique exercícios físicos, mantenha o peso adequado, evite o estilo de vida estressante.

 

·         Consulte regularmente seu médico seguindo as recomendações.

 

·         Consulte um oftalmologista periodicamente para  prevenção e tratamento de  retinopatias diabéticas, que podem levar a cegueira.

 

·         Use calçados adequados, evite escalda-pés ou o aparecimento de bolhas,  ferimentos . A diminuição de sensibilidade nos pés, usual na neuropatia diabética, faz com que ocorram ferimentos indolores , especialmente nos pés.  Uma vigilância maior neste sentido faz-se necessária.

 

·         Cuide precocemente de processos  infecciosos e  que exijam cicatrização.

 

·         Hidrate-se adequadamente e alimente-se, preferencialmente  a cada três horas, evitando episódios de hipoglicemia.

 

 

Caso possua casos de diabetes mellitus na família, não tendo desenvolvido a doença, siga as recomendações de mudanças de hábitos de vida, prevenindo o aparecimento da doença ou amenizando seu curso , caso venha a se manifestar.