Apesar de ter um papel essencial ao organismo e contribuir para um bom funcionamento  do corpo, o consumo abusivo de sal de cozinha pode trazer  sérias consequências a saúde.

O sal de cozinha é o cloreto de sódio, ou seja,  cada grama dele contém 0,4g do íon sódio. Para cada 9 gr de sal ingerido, o organismo retém  um litro de água. Em excesso,   este íon causa sobrecarga  do sistema cardiovascular.

O organismo que retém a água pelo excesso de sódio,  apresenta um volume de sangue circulante maior que prejudica a flexibilidade das artérias, lesionado órgãos como coração, rins, cérebro.

Os vasos possuem uma camada interna que, uma vez lesionada, ao passar o sangue em alta pressão,  podem endurecer , obstruir ou se romper.

A recomendação de consumo diário de sal pela Organização mundial de saúde (OMS)  é de menos de 5g/ dia. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísitca  ( IBGE) apontam para um consumo em média em torno de 12 g/dia (Este consumo foi medido de acordo com regiões, sendo o maior consumo na região norte, com13,8g e o menor, na sudeste, com 9,7g/dia).

Um estudo publicado recentemente em uma revista conceituada norte-americana apresentou um modelo de simulação computadorizada, explorando o impacto que uma pequena redução do consumo de sódio teria na incidência de doenças cardiovasculares na população entre 35 a 84 anos de idade. A redução de apenas 3 g de sal no consumo diário atual daquele país, que é em torno de 10,4 g/dia, para homens e 7,3 g/dia para mulher reduziria o número de infartos (De 54000 a 99000 casos/ ano), de derrames cerebrais (De 44000 a 90000 casos/ano).O sistema de saúde economizaria de 10 a 20 bilhões de dólares  anuais.

A diminuição do consumo de sal teria efeito benéfico  a doença cardiovascular comparável a redução de outros fatores de risco como combate ao tabagismo, obesidade, controle dos lípides (colesterol e triglicérides), controle medicamentoso de hipertensão.

A maioria do sódio ingerido na dieta do brasileiro provém de alimentos industrializados (70 %). Faz-se necessário  providenciar, pelas autoridades responsáveis, medidas que estabeleçam limites a quantidade deste eletrólito nos  molhos, condimentos, enlatados , embutidos, queijos.

Observe atentamente as informações contidas nos rótulos dos alimentos que industrializados. Se a quantidade ultrapassar  0,4gr em 100ml do alimento, é considerado um alimento rico neste nutriente, sendo prejudicial a saúde.

Substitua o sal por outros temperos que confiram sabor, como , por exemplo, salsa, cebolinha, alho, cebola, molhos caseiros, ervas finas.

Evite o uso de temperos prontos industrializados, que contém teor alto de sódio.

Não espere ficar hipertenso para reduzir o consumo de sal.  Se o fizer,  protegerá todo seu sistema cardiovascular e sua saúde.

 

Envie suas dúvidas, críiticas ou sugestões